À MEMÓRIA DE JUDITH MILLER
_Elida Ganoza, WAWA – NEL Lima

Judith Miller não está mais conosco mas deixa um vazio inspirador. Ensinou e transmitiu um estilo de trabalho no Campo Freudiano o qual deixa uma marca em cada um dos que se vincularam a ela para inscrever seu trabalho e fazer crescer esse Campo que ela redefiniu e reconquistou franqueando à psicanálise oportunidade de um porvir.

Como ocorre a todos em todas as Escolas e especialmente na NEL, não vê-la mais, faz avaliar os momentos em que nos inspiramos e orientamos no labor que como incansável trabalhadora da causa psicanalítica desenvolveu na extensão da psicanálise, quando acolheu propostas que escutou, examinou e deu curso.

Muitas das sedes da NEL de uma ou outra maneira, desde antes de sua criação tiveram contato ou se relacionaram diretamente com a presidente da Fundação do Campo Freudiano. Conhecedores em Lima desde Julho de 1998, que no I Congresso da AMP em Barcelona Judith Miller empreendera a reconquista do campo freudiano realizamos a leitura do primeiro editorial da Revista Carretel nº 1 da Nova Rede CEREDA. Nesta, convidava a todos aqueles grupos que estivessem iniciando atividades relacionadas com crianças no discurso analítico para que levassem adiante investigações e as inscrevessem na Rede. Estimulou a criação de um espaço de trabalho que permitiu aprofundar nossa formação psicanalítica tanto na teoria quanto na clínica criando assim o Espaço Limeiro de Psicanálise com Crianças e Adolescentes – WAWA onde delineou um projeto de trabalho para ser desenvolvido, visto que a NEL estava em formação em 2001.

Com Judith Miller temos uma história que vale recordar. Esteve muito próxima orientando-nos em um primeiro tempo que culminou, em 12 de Julho de 2000, no Centro Descartes, no marco do XI Encontro Internacional do Campo Freudiano em Buenos Aires, na reunião da FIBCF, onde aceitou a Biblioteca do CIEL – Perú como nova aderente da Federação Internacional de Bibliotecas do Campo Freudiano. Em um segundo momento, logo da liberação do projeto WAWA e seu seguimento nos valeu a generosa acolhida de Judith Miller na Nova Rede CEREDA para assim fazer parte da Diagonal Hispanohablante, portanto desde Julho de 2002 quando em Paris se realizou a reunião geral da Diagonal Hispanohablante, no marco do XII Encontro Internacional do C.F. Seguimos até a atualidade trabalhando na Rede e temos um braço que se fortaleceu com o trabalho de Psicanálise e Autismo, integrando o Observatório de Políticas do Autismo da NEL/FAPOL, que se inspirou desde seu início, na Primeira Conversação Clínica da Diagonal. Realizada no ano de 2000 em São Sebastião, organizada por Judith Miller, tratou do tema do autismo, onde transmitiu o que uma Conversação Clínica implica e é uma transmissão que nos acompanha desde então:

"Em primeiro lugar, a Conversação é um meio de trabalho novo, de uma nova época, a época atual do Campo Freudiano…A Conversação é uma prova da existência de uma verdadeira comunidade de trabalho em cada lugar do C.F…. Clínica, na Diagonal Hispanohablante significa que com a criança um analista tem exatamente a mesma ética que com um adulto, porque se trata de um sujeito". ¹[1]

Celebramos te-la conhecido, a recordaremos por ser pioneira quanto à ação lacaniana em psicanálise e seu exemplo seguirá vivo. Concluo esta homenagem sincera e agradecida com as palavras que têm para nós ressonância:

"A ação lacaniana no Campo Freudiano está já disposta a determinar que escolhos encontrar, quais se podem franquear graças ao caso a caso e as iniciativas que põem em marcha na medida de cada um. Medidas que não são estandardizadas, mas formalizáveis a partir da inspiração que chega de iniciativas que nos mantêm despertos. Esta inspiração não excluem nem a audácia nem tampouco a consulta às Escolas da AMP cujo apoio é precioso, discreto, permanente e concreto". [2]

Adeus Judith, não nos esqueceremos de "poner nuestro reloj en hora".[3]

Tradução: Lucia Mello – Membro da EBP/AMP

NOTAS

  1. MILLER, J. Palavras de abertura da primeira conversação clínica da diagonal hispanohablante, Nova Rede Cereda, Madri, 2000, 9,10.
  2. MILLER,J. O campo freudiano e a ação lacaniana. Bitácora lacaniana nº1, Grama, Buenos Aires,, Outubro, 2012, 71.
  3. N.T.Expressão utilizada pela autora Elida Ganoza.